Minha Mãe
Paulo Silveira de Ávila

Minha mãe, roseira branca
que minha avó cultivou!
Dela surgiram viçosos,
exuberantes e suaves botões
a exalarem fragrância.

Se entreabrindo, orvalhados pelo sereno,
sob um céu de nuvens azuis,
numa alegre sinfonia,
qual reluzente raio de sol.

Minha mãe, que importa se distante
o sol doira o horizonte,
alimentando a minha crença
e no meu caminho,
embora, cheio de curvas,
seguirei, então, contente,
sem lágrimas, sem queixumes
a ouvir tua voz querida,
perceberei o imenso carinho
que indefinidamente se prolonga.

E, agora, os botões de rosas,
um a um, estão seguindo
o norte do céu,
onde repousa tua alma,
nos roseirais celestiais.


 




Créditos
Ramalhate
Material de grupo de trocas,
sem créditos,tendo conhecimento darei os devidos
Música ErnestoCortazar_ profound passion
Arte e Formatação HildaRosa

 
 
 
 

 

VOLTAR